Gestão

Proteja sua produção de soja de sementes piratas e evita perdas!

Você sabia que, de acordo com a ABRASS (Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja) aproximadamente 30% de toda a safra 2015/16 da soja brasileira foi semeada com sementes ilegais ou, como costumamos chamar, de “sementes piratas”?

Certamente, este é um número muito preocupante e deixa toda a agricultura nacional em estado de alerta, já que sementes sem procedência podem representar muita dor de cabeça para o produtor rural e para toda a sociedade agrária.

Muitos são os motivos que desencorajam o produtor a optar por esse produto, mas, mesmo assim, muitos ainda correm o risco e pagam “mais barato” por sementes sem procedência comprovada, ignorando completamente as consequências futuras do uso delas.

Para sabermos mais sobre os riscos e consequências do uso das sementes piratas, conversamos com Francisco Krzyzanowski, Presidente da ABRATES (Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes) e pesquisador da Embrapa Soja ((Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).

O que são exatamente, as Sementes Piratas?

As sementes piratas consistem em grãos colhidos e revendidos de forma ilegal como semente, sem que se conheça a procedência ou o registro dos mesmos. A fiscalização é inexistente e não há recolhimento de impostos. O beneficiamento e o armazenamento, por sua vez, raramente são adequados – o que diminui a qualidade da semente.

Além disso, Krzyzanowski explica que elas são produzidas fora do sistema oficial brasileiro de produção de sementes. “Por esta razão, não apresentam origem conhecida, controle de geração e são comercializadas como grão”.

O crescimento do uso de sementes piratas ocorre quando os custos de produção estão elevados e os preços da soja não estão atraentes, assim os produtores rurais buscam economizar em todas as etapas da produção.

Na cabeça dos produtores a compra de sementes mais baratas é uma necessidade para economizar. No entanto, economizar justamente no plantio pode sair muito caro devido aos riscos a seguir apresentados.

Quais os riscos no uso de sementes piratas?

Todo produtor rural não quer colocar a colheita da sua lavoura em risco. Porém, o simples fato de plantar sementes piratas pode acarretar em diversos problemas produtivos, genéticos, fisiológicos e sanitários para o seu negócio. Krzyzanowski lista alguns:

  • Sementes piratas não asseguram a pureza física, podendo conter em sua sacaria sementes de ervas daninhas nocivas à produtividade;
  • Não asseguram a pureza genética de uma cultivar específica, podendo ter mistura de sementes de outras cultivares;
  • Não asseguram a qualidade fisiológica, podendo apresentar baixo vigor e baixa taxa de germinação;
  • Não asseguram a qualidade sanitária, podendo transmitir doenças via semente.
  • Provocam redução significativa da produtividade.

Finalmente, Krzyzanowski cita o insucesso econômico durante a colheita como um grande problema.

“Em caso de insucesso na lavoura o agricultor não terá nenhum respaldo legal para a reparação do prejuízo financeiro que ele terá”. Essa garantia pode ser dada pela empresa caso sejam utilizadas sementes legais.

Questões mercadológicas e as consequências das sementes ilegais

Além do produtor rural, pode-se dizer que todos os outros envolvidos com a cadeia agrícola perdem bastante com o uso e com o comércio ilegal de sementes. O governo perde devido à evasão de impostos, os obtentores e a pesquisa também saem perdendo pelo não retorno dos royalties.

Segundo Krzyzanowski, o avançar do uso de sementes piratas (com não pagamento de royalties) provoca forte desestímulo por parte das empresas de biotecnologia ao programa de melhoramento genético das mesmas.

O uso de sementes piratas põe em risco a renovação das cultivares (variedades) em cultivo, trazendo grande prejuízo para a agricultura nacional”, comenta o presidente da Abrates.

Por estas razões é preciso conscientizar o produtor brasileiro a valorizar as sementes legais, caso contrário haverá uma forte tendência das empresas se dedicando ainda menos à pesquisa no Brasil e resultando em graves prejuízos no futuro.

Sementes legais garantem distância dos problemas

É preciso alertar os produtores que, as sementes piratas trazem problemas para a lavoura, para o comércio, para o governo e para as empresas produtoras de tecnologia.

Portanto, é sempre recomendado que o produtor fique distante das sementes ilegais, buscando empresas idôneas, que ofereçam sementes certificadas.

Krzyzanowski lembra que as Associações Estaduais de Produtores de Sementes são excelentes fontes de referência para o agricultor selecionar fornecedores que ofertam sementes com garantia de qualidade.

Por fim, vale ressaltar que, segundo o código penal, é ilegal produzir, vender e comprar sementes piratas. Portanto, sempre que você se deparar com esse tipo de mercado ilegal, denuncie! A agricultura brasileira agradece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *