Sustentabilidade

Como escolher e calcular a irrigação sem erro

Um dos segredos da produção em diversas culturas é o equilíbrio de água. Por isso, é importante que os projetos de irrigação priorizem o uso racional da água, evitando a falta ou excesso, pois ambos podem causar impactos.

Sabendo disso, uma pergunta bastante recorrente entre os agricultores que necessitam de oferta artificial de água para a sua lavoura, relaciona-se com a escolha do melhor método de irrigação. Então, listamos abaixo os principais.

Irrigação superficial: sistema a água conduzida para o ponto de infiltração por meio da superfície do solo. Muito utilizado no sul do Brasil e na produção de arroz;

Irrigação localizada: a água é aplicada exatamente na área ocupada pelas raízes das plantas, formando um círculo molhado ou faixa úmida. Tal técnica é uma das mais utilizadas atualmente, sendo muito aplicada na produção de frutas. Os sistemas de irrigação localizada são a microaspersão e o gotejamento.

Irrigação por aspersão: esse sistema é praticamente uma chuva, porém artificial. Nele um aspersor expele água para o ar, que por resistência aerodinâmica se transformam em pequenas cotículas de água que caem sobre o solo e plantas. É bastante utilizado em grandes lavouras. Seus principais sistemas são a convencional, o pivô-central e o auto-propelido.

Como escolher o melhor método de irrigação?

Nessa hora, o produtor precisa escolher por aqueles mais eficientes seguindo suas necessidades, evitando perdas de água. “Certamente um bom manejo da irrigação é prioridade, visto que essa condição deverá gerar economia de água sem perda de produção” sugere Uri Goldstein, diretor comercial da Agrosmart e especialista em irrigação.

Todos os métodos são bons se forem respeitados seus limites. Para cada cultivo diferente, sempre existirá o método mais adequado.

O mais importante é não ultrapassar os limites de custo/benefício do sistema sem esquecer dos custos operacionais e gastos com energia elétrica de cada método.

Calculando a medida certa de irrigação

A primeira coisa que todo agricultor precisa estar ciente é que irrigação é totalmente diferente de molhação.

Irrigação é considerada uma técnica de oferecer água à planta, já a molhação é só um artifício pragmático usado para fornecimento de água para as plantas, ocorrendo sem rigor técnico ou científico, sem garantia de uniformidade e sem segurança sobre a necessidade da quantidade de aplicação.

Assim, para dimensionar o sistema de irrigação ou até mesmo definir o melhor método a ser utilizado, é importante que o produtor tenha informações mais precisas relacionadas as características físico-hídricas dos solos, a demanda climática histórica dos locais, o relevo das áreas em questão, a disponibilidade e qualificação da mão de obra disponível e também relacionada a qualidade da água a ser utilizada.

A procura por orientação técnica específica possibilitará melhor dimensionamento do sistema de irrigação, que deverá ter a capacidade real de suprir a cultura no período de maior demanda.

Medimos em tempo real a umidade do solo, a evapotranspiração da planta e a chuva que foi aproveitada por ela. E assim conseguimos orientar o produtor qual a quantidade adequada (mínima) de água para aquela parte da plantação sem afetar a produtividade”, conta Goldstein.

Vale lembrar que as características citadas por Uri são consideradas as mais importantes no planejamento da irrigação, e finaliza: “o planejamento sempre será a chave de sucesso para a crise hídrica e a irrigação sustentável, portanto devemos prioriza-lo.

Gostou do artigo sobre irrigação? Compartilhe em suas redes sociais com seus amigos.

Crédito para inovação no agronegócio

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *