Agrishow faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_1371739889.jpg

Como usar óxido de cálcio como corretivo em pastagens

Veja quais são os benefícios da aplicação de óxido de cálcio em pastagens e quais são os principais cuidados quanto ao uso desse corretivo.

Tema sugerido pelo nosso leitor Edilson Auersvald

Em qualquer sistema de produção a pasto, a garantia de uma boa produção das pastagens está diretamente ligada à manutenção do equilíbrio no sistema solo-planta-animal, onde os nutrientes extraídos precisam ser repostos. E o uso do óxido de cálcio (CaO) como corretivo de pastagens é um ótimo caminho nesse sentido.

Obtido industrialmente por calcinação, o CaO é um constituinte da cal virgem agrícola e apresenta reatividade aumentada devido a sua natureza química (bases fortes). Portanto sua reatividade é muito elevada, podendo-se dizer que a reação desse produto é quase imediata.

Conheça os benefícios desse corretivo do solo e veja outras informações de grande importância para quem pretende aplicar esse produto em suas pastagens!

Como o óxido de cálcio é obtido?

Basicamente, o óxido de cálcio (CaO) é um produto obtido industrialmente por calcinação, ou seja, por meio da queima completa do calcário. Sua forma é a de um pó bastante fino.

Vale lembrar que a obtenção desse produto depende do calcário utilizado, como explica Alberto Bernardi, pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste. “Há vários tipos de calcários e dependendo do tipo utilizado, ele pode conter, na verdade, óxido de cálcio (CaO) e óxido de magnésio (MgO)”.

Bernandi ainda ressalta que esse produto é chamado também de cal virgem agrícola.

Principais benefícios do uso do óxido de cálcio em pastagens

Segundo Bernardi, o óxido de cálcio é caracterizado como um ótimo corretivo do solo, com seus efeitos benéficos sendo observados em diversos aspectos dentro da pastagem, tais como:

  • Aumento da eficiência das plantas na absorção de água e de nutrientes;
  • Diminuição das perdas de bases (K, Ca e Mg) por lixiviação;
  • Diminuição da fixação do P;
  • Diminuição dos teores tóxicos de Al e Mn;
  • Fornecimento dos nutrientes Ca e Mg às plantas;
  • Favorecimento da fixação simbiótica do nitrogênio pelas leguminosas;
  • Melhoria das propriedades físicas e biológicas do solo;

Reação quase imediata em pastagens

Outro benefício bastante importante do uso de CaO em pastagens é sua rápida reação assim que é aplicado, como explica o pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste:

A reação da cal virgem agrícola ou óxido de cálcio e magnésio é considerada quimicamente como uma base forte, ou seja, sua reação é rápida e quase que imediata, desde que haja umidade no solo”. Nesta rápida reação há liberação de Ca2+, Mg2+, OH–, além de calor.

Porém, o pesquisador salienta que numa pastagem implantada, na qual não vai ser incorporado o corretivo, a aplicação da cal virgem ou óxido de cálcio pode ser um problema.

Este corretivo deve ser incorporado logo após a aplicação, para evitar que haja um empedramento na superfície do solo, criando até um selamento superficial, o que não será nada benéfico”.

Frequência desse tipo de correção: Depende da análise do solo

Bernardi explica que a recomendação da calagem ou de qualquer outro tipo de corretivo em pastagens deve ser feita com base na análise do solo. “Será por meio dessa análise que será possível indicar qual a real necessidade de correção”, diz.

Dessa forma, o pesquisador indica que no manejo intensivo de pastagens, com uso de pastejo rotacionado e adubações, a frequência anual de análise é a mais adequada. Já em sistemas mais extensivos, pode-se trabalhar com intervalos maiores.

Será a partir dos resultados apresentados na análise de solo é que o técnico indica a necessidade de calagem, que é a quantidade de corretivo necessária para neutralizar a acidez do solo”, reforça o pesquisador.

Dessa forma, a quantidade de calcário depende do comportamento da cultura com relação à acidez e do método ou critério utilizado para a recomendação.

Outro ponto importante que o pesquisador considera é que por ser um produto cáustico, o óxido de cálcio pode provocar irritação e queimaduras. “Sua aplicação exige maior proteção das pessoas que os aplicam, principalmente evitando-se o contato com olhos e pele”, diz Bernardi.

Por fim, ele explica que por ser um pó fino, deve-se utilizar um equipamento adequado para a aplicação do óxido de cálcio. Por fim devem ser observadas as condições climáticas no dia da aplicação, visto que esse é um produto com alta possibilidade de perdas pelo vento.

Saiba mais sobre produtividade do solo baixando nosso material exclusivo e gratuito!

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar