Agrishow faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Como prevenir a ferrugem asiática da soja nas lavouras?

Ferrugem asiática da soja
A ferrugem asiática causa dor de cabeça aos sojicultores, por isso é preciso conhecer suas características e as melhores estratégias de controle da doença

Na safra 2021/22, que se encerra em abril, há a estimativa de que a produção de soja no Brasil atinja 142 milhões de toneladas. No entanto, o fungo causador da ferrugem asiática da soja pode, mais uma vez, dificultar esses números.

Dependendo da gravidade da infestação, a queda de produtividade em decorrência da ferrugem da soja pode chegar a até 90%, principalmente quando ela não é controlada a tempo.

Por essa razão, adotar estratégias específicas de manejo torna-se fundamental para o melhor enfrentamento da ferrugem da soja e a manutenção da produtividade esperada.

Conheça, a seguir, as principais características da ferrugem asiática da soja e saiba quais estratégias adotar para combater a praga:

O que é a ferrugem asiática da soja?

A ferrugem asiática, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, é uma das doenças mais comuns e severas nas lavouras do país. Como o nome indica, essa é uma doença que surgiu na Ásia, e chegou ao Brasil na safra 2001/2002, no Paraná.

Desde então, há diversos focos da doença em todo o Brasil, com o fungo se disseminando por todas as regiões agrícolas brasileiras, sobretudo nas regiões produtoras de soja.

Segundo Marcos Queiroz, Líder de Fungicidas da Syngenta, a ferrugem asiática é caracterizada pelo surgimento de pequenos pontos escuros no tecido foliar. “Estes pontos dão um aspecto de ferrugem à planta, daí seu nome”, explica.

Já na porção inferior da folha, aparecem pequenas saliências chamadas urédias. “As urédias são bolsas onde se concentram os esporos reprodutivos do fungo”, complementa o especialista.

Quais são os danos agronômicos e econômicos da ferrugem asiática?

Queiróz explica que, conforme a ferrugem asiática se desenvolve, as folhas da planta de soja se tornam amarelas, secam e caem. “Este processo compromete a obtenção de energia da planta, o que afeta a formação dos grãos”, comenta.

Exatamente por isso, a ferrugem asiática é a principal responsável por grandes perdas na produtividade da soja, sendo motivo de grande preocupação por parte de produtores desta oleaginosa em todo o Brasil.

“Devido à celeridade de seu avanço e disseminação pela lavoura, a doença gera anualmente prejuízos de até R$2,8 bilhões, e pode levar a perdas de até 90% da produção, atingindo principalmente plantações de soja”, complementa Queiroz.

Além do mais, é importante estar muito atento a algumas condições que facilitam a disseminação da ferrugem asiática:

Clima favorável

Períodos chuvosos, de elevada umidade do ar e prolongado molhamento foliar (acima de 6h) são altamente favoráveis para o desenvolvimento do fungo.

Temperaturas entre 18 e 28°C, especialmente à noite

Quando ocorre a infecção, estas temperaturas são altamente favoráveis. Já temperaturas amenas à noite (abaixo de 16°C) podem desfavorecer a infecção.

Presença de inóculo na área

A presença de ferrugem na região configura-se como um importante alerta de risco. Por isso, é preciso ficar atento a relatos de ocorrência e a dados de coleta de esporos disponibilizados por entidades de pesquisa.

Cultivares suscetíveis

Existem significativas variações quanto à suscetibilidade das cultivares à ferrugem. Mas é essencial entender que, quanto mais suscetível for a cultivar, maior o risco com a doença e mais rápida a evolução.

Como combater a ferrugem asiática da soja?

Apesar de sua rápida propagação, a doença pode ser controlada antes mesmo de seu aparecimento. Segundo Marcos Queiroz, há uma série de soluções que podem ser utilizadas para que o produtor controle a ferrugem da soja e aumente a produtividade e rentabilidade de sua lavoura.

Métodos de controle e manejo da ferrugem asiática na cultura da soja

O especialista explica que o enfrentamento eficaz requer o uso de medidas distintas em diferentes frentes e momentos do plantio

“É essencial ressaltar que a estratégia de combate depende das características de cada produção, por isso é importante uma avaliação customizada para traçar um plano consistente de ação”, recomenda.

Manejo Consciente 

Queiróz explica que a Syngenta trabalha com base no Manejo Consciente das lavouras, um conjunto de estratégias que visam garantir a produtividade do campo freando a evolução de doenças. As ações são baseadas em quatro pilares essenciais:

  1. Estabelecer boas práticas agronômicas;
  2. Conhecimento dos produtos utilizados;
  3. Respeitar os direcionamentos técnicos da bula; e
  4. Utilizar tecnologias adequadas de aplicação.

Dentre essas boas práticas de prevenção, o vazio sanitário (de no mínimo 60 dias) adquire grande importância nas estratégias de manejo.

O vazio sanitário caracteriza-se como o período de ausência de plantas vivas de soja no campo durante a entressafra. Isso leva à redução da quantidade de esporos do fungo nesse período, em razão da ausência do hospedeiro principal.

Para mais informações sobre a sojicultura, confira nosso material exclusivo sobre os desafios da colheita mecanizada de soja!

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar