Agrishow faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Sitemap


Articles from 2020 In March


Covid 19: Como manter a produção rural sem medo do vírus?

shutterstock_1625760049.jpg

O avanço do novo coronavírus (Covid 19) está preocupando pessoas em todo o planeta, a ponto de fechar comércios e grandes fábricas. Mas, a agricultura não pode parar e a produção de alimentos precisa continuar muito firme diante da crise.

Porém, todo produtor agrícola também está sujeito a sofrer os efeitos do Covid 19. Por isso, para evitar a propagação da doença é preciso tomar alguns cuidados para deixar o coronavírus longe do trabalhador do campo.

Assim, em tempos de Covid 19, a adoção de algumas dicas pode ajudar o trabalhador do campo a se proteger ainda mais.

Covid 19: O agro precisa continuar

O coronavírus é um novo tipo de vírus que teve seu primeiro caso relatado em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China. Alguns poucos meses depois o vírus já se faz presente em todos os continentes e em praticamente todos os países do planeta.

Diante disso vemos que a realidade é bastante dura: a Covid 19 agora representa um risco significativo em todos os cantos do mundo e do Brasil. Entretanto, a população precisa ter alimentos em quantidade suficiente para superar esse momento de séria crise. Por isso, fazendas, lavouras, hortas e empresas agropecuárias não podem parar.

Mas, para continuar servindo à população brasileira com seus alimentos, o trabalhador do campo precisa ter bastante cuidado, se protegendo do vírus e mantendo a saúde sempre em dia.

Cuidados para deixar o coronavírus longe do campo

Para que o trabalhador rural continue trabalhando e abastecendo o Brasil com alimentos, é preciso que alguns cuidados sejam tomados.

Os cuidados que o trabalhador do campo deve seguir são basicamente os mesmos recomendados pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e pelo Ministério da Saúde. Estes cuidados são:

  • Limpeza das mãos de forma mais frequente com álcool gel ou água e sabão;
  • Cobrir o nariz e a boca com um lenço descartável ou o cotovelo ao tossir e espirrar;
  • Evitar aglomeração e ambientes fechados, com as pessoas devendo não ficar muito perto uma das outras.

Mas além dessas recomendações, Rodrigo Capella, Palestrante e Diretor Geral da Ação Estratégica - Comunicação e Marketing, lista outras orientações específicas que o homem do campo precisa se atentar. São elas:

- Distribuição imediata de fracos portáteis de álcool gel para todos os colaboradores. “Os trabalhadores devem ser orientados a sempre utilizar este produto”, diz Capella.

- Disponibilizar sabonete reserva em todos os banheiros de funcionários e colaboradores.

- Não compartilhar equipamentos de trabalho. “É preciso pedir e orientar os colaboradores que eles não compartilhem rastelos e outros equipamentos, durante a atividade, evitando assim a contaminação comunitária”.

- Estimular que as refeições sejam realizadas em mais de um lugar, evitando assim casos de aglomeração de pessoas no refeitório instalado na propriedade.

- Fazer a ampla e constante higienização das máquinas agrícolas. Neste caso, Capella diz ser importante higienizar muito bem a cabine da máquina, com volante e marcha. “São essas partes da máquina que podem mais contribuir com a disseminação do vírus”, diz.

Cuidados a serem adotados no âmbito das empresas ligadas ao agronegócio

Além de todos os cuidados recomendados pela OMS, há ainda outros cuidados que também são de grande importância para que consigamos deixar a Covid 19 longe do campo principalmente à gestão de pessoas dentro de pequenas, médias ou grandes empresas agropecuárias.

Assim, entre as recomendações mais importantes quanto à gestão de pessoas podem-se citar:

 - Permitir o trabalho remoto em home office para todos os colaboradores que possam fazer isso, caso daqueles que trabalham em escritórios da empresa agrícola;

 - Cancelamento de todas as reuniões presenciais, além de viagens técnicas;

 - Isolamento de todos os funcionários que estejam no grupo de risco para a Covid 19, ou seja, idosos e pessoas com algum problema crônico de saúde;

 - Cancele momentaneamente as visitas de pessoas externas à empresa de qualquer natureza, seja de fornecedores, vendedores ou familiares.

Seguindo estas dicas, os colaboradores de sua empresa, fazenda ou lavoura estarão muito mais seguros contra essa pandemia do coronavírus. No mais, Capella diz ser importante que o ambiente rural siga todas as orientações expressas pelo Ministério da Saúde.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Como se proteger do covid-19

shutterstock_1658501800.jpg

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Quando é hora de trocar meus tratores?

As máquinas agrícolas são elementos fundamentais para garantir o bom trabalho nas fazendas. Como todos os tipos de equipamentos, elas têm vida útil estimada e para que funcionem de forma adequada, precisam passar por manutenções periódicas.

Muitos produtores agrícolas não sabem qual o momento certo de trocar suas máquinas ou adiam essa decisão com a intenção de aproveitar seu uso ao máximo. Mas o que pode acontecer, caso essas máquinas não sejam substituídas em tempo, é a perda de produtividade e gastos excessivos com manutenções que deixam de ser periódicas para se tornarem corretivas.

Brasil vai colher o que plantar em tempos de coronavírus

Artigo José Luiz Tejon (14).png

Em tempos de coronavírus, as palavras de ordem são responsabilidade e bom senso. A Bíblia diz que quem semeia vento colhe tempestade. Ou seja: só colhemos aquilo que plantamos. Se plantarmos aglomeração, colheremos proliferação do covid-19. Se semearmos boas práticas de higiene, e o devido distanciamento um dos outros, colheremos a redução da transmissão do coronavírus.  Sejamos como os produtores rurais, que plantam bons frutos na fé de que farão uma boa colheita. Sejamos gratos aos agricultores e pecuaristas que continuam trabalhando sem trégua para colocar o alimento em nossas mesas, aos profissionais de saúde que se arriscam para salvar nossas vidas, aos garis que garantem a limpeza de nossas cidades, aos caminhoneiros que transportam nossos bens de consumo e de primeira necessidade e todos aqueles que, tanto dentro quanto fora da porteira, não se confinaram para continuar nos prestando algum tipo de serviço.

Tenhamos fé em Deus, mas Ele também espera que façamos a nossa parte. Infelizmente, não foi o que ocorreu no início do anúncio da quarentena. Muitos brasileiros se comportaram como se tivessem tirado férias, indo ao shopping, à praia ou ao bar da esquina.  Agora, choram pelo leite derramado e, contraditoriamente, criticam aqueles que realmente são obrigados a continuar produzindo para que o estrago não seja ainda maior, e nem me refiro à economia, mas ao próprio controle da pandemia, porque remédios, oxigênio e uma infinidade de coisas precisam continuar indo e vindo de algum lugar. Vi o depoimento emocionante de um caminhoneiro que estava prestes a parar de trabalhar, uma vez que a vigilância sanitária havia fechado o único restaurante que ele teria como alternativa para jantar. Ele chorava de fome, enquanto tentava se manter em pé para transportar o nosso alimento.

É imprescindível bom senso tanto pelo temor ao vírus quanto pelos impactos provocados, principalmente, aos profissionais que permanecem nos servindo continuamente para garantir nossa sobrevivência. O momento não é de julgamento, não é de competição política, mas de reflexão sobre como enfrentar esse pesadelo por meio de estudo, planejamento, estratégia e, acima de tudo, sensatez. A vida não vale mais do que dinheiro, é óbvio; como também é óbvio que uma crise econômica afetará milhões de outras vidas. Por outro lado, cresci ouvindo a frase de uma mulher que nasceu muito pobre, cresceu forte, se tornou batalhadora, otimista e sobreviveu a inúmeras crises. Anote aí: “Pra tudo na vida tem solução, minha filha, só pra morte que não tem”.

Um forte abraço AgroAmigo pra você do campo e da cidade.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Evite prejuízos com plataforma de emissão de títulos agrícolas eletrônicos

shutterstock_1532584079.jpg

A necessária reclusão temporária por conta do coronavírus está mobilizando boa parte do mercado brasileiro, e o agronegócio deve sentir seus impactos. Para contribuir com a continuidade das operações de financiamento ao produtor rural, e garantir que os insumos cheguem ao campo na época correta, produtores rurais podem usar a versão beta da plataforma Ativus, da Bart Digital, uma ferramenta tecnológica construída para emitir títulos agrícolas eletrônicos, realizar assinatura digital, e ainda, enviar para registro, tudo de forma digital.

Embora qualquer pessoa ou entidade possa usufruir do sistema Ativus, neste primeiro momento, a startup priorizará solicitações de produtores rurais, cooperativas e distribuidores de insumos, que têm um ciclo de formalização de garantias anterior às indústrias.

"O planejamento inicial era de, até julho, disponibilizar o Ativus apenas para alguns clientes que nos ajudariam a validar a usabilidade e o modelo de negócio. No entanto, ao refletir sobre a situação atual do país e os possíveis reflexos na próxima safra, entendemos que a plataforma pode ser uma ferramenta útil para mitigação dos efeitos da crise, já que todo o processo é feito de forma eletrônica", explica Mariana Bonora, CEO da Bart Digital.

"O agronegócio não pode parar, ele é um importante pilar da nossa economia, e nossos alimentos percorrem o mundo", pondera.

Além de antecipar o lançamento, a empresa também isentará os clientes de pagarem a assinatura mensal da plataforma, e dará descontos de até 70%, conforme perfil do cliente. "Não conseguimos zerar estes valores, pois muitos cartórios não estão preparados para uma atuação digital, o que demanda um trabalho ativo da nossa equipe interna".

Mariana ressalta, ainda, que a empresa tem tido excelentes resultados na interação com os cartórios, mesmo aqueles que nunca registraram títulos eletrônicos. "Há cartórios pouco familiarizados com os registros eletrônicos, mas todos têm se mostrado abertos, então frequentemente temos a oportunidade de trocar experiências e encontrar novas soluções. Essas entidades também têm total liberdade para nos acionarem, e assim pensarmos em conjunto como otimizar as relações rurais", detalha a fundadora da agtech.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Atenção: mudança no recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas

Artigo José Luiz Tejon (12).png

Preocupado com a segurança das pessoas, o inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), entidade operadora do Sistema Campo Limpo, programa brasileiro de logística reversa de embalagens vazias e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas, recomendou que as unidades de recebimento operem com 50% de sua capacidade, desde 24 de março. O Sistema Campo Limpo atenderá 50% das devoluções previamente agendadas pelos agricultores por um prazo de trinta dias, renováveis a cada trinta dias, se necessário. As demais serão remarcadas.

Com o aval do Ministério da Agricultura e apoio de diversas Secretarias Estaduais, responsáveis pela fiscalização, as medidas foram tomadas para garantir a segurança dos elos da cadeia agrícola e o funcionamento do Sistema. Nas unidades de recebimento, os funcionários trabalharão em esquema de rodízio, reduzindo a circulação de pessoas, e adotarão todos os cuidados especiais no recebimento, conforme orientações do Ministério da Saúde, como: disponibilidade de recipientes com álcool em gel em todos os ambientes; restrição do acesso e manutenção de distância de segurança entre os funcionários e agricultores; e realização de Diálogos Diários de Segurança com as equipes das unidades, garantindo disseminação de informações e materiais sobre a covid-19, orientações e formas de prevenção.

“O inpEV está avaliando em tempo real todas as mudanças de cenário e estabelecendo ações contínuas de segurança, comunicação e educação para garantir que o Sistema Campo Limpo siga em funcionamento de forma efetiva e segura. Estamos todos juntos, agricultores, revendedores/cooperativas, fabricantes e governo, trabalhando para preservar a saúde da população brasileira”, afirma o diretor-presidente do instituto, João Cesar M. Rando.

 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Dicas para o produtor rural se proteger do coronavírus

Artigo José Luiz Tejon (6).png

Amigos e amigas do nosso agronegócio, em tempos de coronavírus, algumas dicas podem ajudar você que está no campo a se proteger ainda mais.

Todo cuidado é pouco e eu fiz questão de selecionar algumas dicas bem legais para você. Confira:

Segure a mão

Evite passar a mão no rosto, olhos e nariz.

Olha o passarinho

Após tirar uma foto de praga ou usar algum aplicativo de troca de mensagem, por exemplo, guarde o celular no bolso. Não compartilhe o aparelho com outras pessoas.

 O que é seu, é seu

Se você tem como hábito compartilhar tererê ou chimarrão, cuidado! Não faça isso. Tenha o seu próprio equipamento para tomar a bebida.

Agricultura espacial

Atente-se para os novos recursos do campo. Se você pilota um drone, por exemplo, não compartilhe o equipamento com outras pessoas.

Entrou, tirou

Ao chegar da lavoura, guarde as botas e sapatos, se possível, do lado de fora. Desta forma, seu lar estará mais protegido.

Sabão faz bem pro coração

É fundamental fazer a higienização das mãos, sempre que possível, com água e sabão. Faça isso diversas vezes ao dia, mas principalmente antes de ir ao campo e ao chegar em casa.

Proteção rima com higienização

Lave o seu equipamento de proteção, de preferência com água e sabão. Não use equipamentos que não tiver passado por higienização.

Vamos juntos torcer para esta fase durar pouco. Vamos em frente, sempre, sempre valorizando o nosso agronegócio. Força Agro! 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Como fazer a sucessão familiar dar certo?

Uma pergunta importante para começar o processo da sucessão familiar é: seu sucessor quer assumir o negócio? Se sim, ele conhece todos os passos da gestão? Ainda assim, ele está profissionalmente preparado? Na verdade, são poucas as empresas que fazem um trabalho preparatório prévio. Quem está interessado pode contar com assistência jurídica e demais profissionais.  Um dos maiores problemas da sucessão é fazê-la de maneira amadorae deixar que conflitos familiares impactem o processo. 

Como fazer negócios usando WhatsApp

Artigo José Luiz Tejon (8).png

Além de troca de memes, bons-dias e grupos de amigos e de família, o aplicativo de troca de mensagens é uma ferramenta para atender aos seus clientes e evitar prejuízos financeiros da sua empresa; você pode baixar em seu smartphone a versão “Business”.

  1. Baixe o WhatsApp Business e abra o app,
  2. Toque em "Concordar e Continuar",
  3. Permita que o aplicativo acesse contatos, fotos e arquivos,
  4. Insira e verifique seu número de telefone comercial.

Tenha um número exclusivo para os negócios, afinal isso garante privacidade para seu trabalho, além de tornar o atendimento mais profissional, seguro e organizado.

Coloque um link direcionando o cliente para seu contato nas suas redes sociais, nos seu site e e-mail:

Copie o link: http://api.whatsapp.com/send?1=pt_BR&phone=5500000000000.

Coloque o seu número após a palvra o número 55, com o DDD da sua cidade, substituindo todos os zeros.

Para cidades que não usam o nono dígito, utilize o link: https://api.whatsapp.com/send?1=pt_BR&phone=550000000000.

Atribua tags aos clientes para organizar os contatos de acordo com ordem de interesse, área de atuação, dúvidas, perfil ou qualquer outra categoria. Isso ajuda a focas atenções quando as vendas estiverem concentradas nessa plataforma.

Crie listas de contatos para enviar informativos, promoções e ofertas.

Use listas de transmissão, que são como os grupos normais que usamos dia-a-dia, mas os clientes recebem informações individualmente, ainda que o conteúdo seja enviado uma única vez. É possível ter listas com até 256 contatos. Para criar a sua:

Vá até a tela de conversas do WhatsApp, clique em “nova transmissão” e escolha a opção “nova lista”.

Selecione os contatos que deseja adicionar à sua lista e toque no ícone “criar”.

Altere o nome da lista e adicione outras pessoas.

Lembre-se que os contatos precisam estar na agenda do celular e o seu número deve estar registrado no celular do cliente.

 

 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Como solucionar os desafios de conectividade no agro

Quais as ferramentas que podem ajudar o produtor a se conectar melhor com sua produção e o restante do país? A indústria 4.0 está impactando diferentes tipos de negócios, incluindo o agro brasileiro. Segundo dados de 2019, já são mais de 300 agtechs atuando no Brasil. Entretanto, a falta de conectividade nas fazendas é uma barreira para a evolução desse processo.