• Agrishow Digital is part of the Informa Markets Division of Informa PLC

    This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Sustentabilidade

Pesquisador da Embrapa mostra como tornar um solo compactado em área produtiva

O adequado manejo do solo é passo importante para a boa produtividade de todo tipo de cultura. No entanto, nas últimas décadas, a crescente degradação dos solos vem se tornando um problema preocupante. Estimativas da Global Soil Forum indicam que nos últimos 50 anos, a quantidade de terra agricultável per capita diminuiu cerca de 50% no mundo todo.

Várias são as causas que provocam a compactação do solo. No entanto, especialistas indicam que a causa fundamental desse fenômeno é a alteração ou a destruição da estrutura natural do mesmo. Essa compactação ocorre quando o solo recebe uma carga superior à sua capacidade de suporte, onde ações mecânicas alteram sua estrutura, reduzindo o espaço poroso e elevando a sua densidade.

Seria possível reverter esse quadro de solo compacto, tornando o solo produtivo novamente? Conversamos com Luís Carlos Hernani, pesquisador da Embrapa Solos (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), que nos dá dicas valiosas sobre o assunto.

Motivos da Compactação do solo

No ambiente agropecuário, são várias as razões que formam o solo compacto, resultando, por consequência, num solo menos produtivo. Veja a seguir as três principais razões indicadas por Hernani:

a) Tráfego de máquinas, implementos agrícolas e animais: o tráfego de máquinas e animais e a ação de implementos de preparo do solo proporcionam elevada pressão mecânica, induzindo a forte aproximação das partículas e significativa redução da porosidade, definindo um estado de compactação e perda de algumas importantes funções exercidas pelo solo. Essa é a principal causa do solo compacto;

b) Produção e aporte de fitomassa abaixo da demanda do solo: a ausência de quantidade de raízes fasciculadas com elevada relação C:N no arranjo produtivo, induz a baixa atividade biológica no solo e a não produção de novos agregados estáveis, caracterizando um estado de compactação influenciado por deficiência de condições biológicas.

c) Calagem sobre a superfície do solo: Hernani explica que a calagem superficial em doses e frequências inadequadas, leva à dispersão e movimentação de argila, que obstrui poros e altera negativamente os fluxos de água e ar. Com isso, aumenta-se a resistência à penetração das raízes. “Este aspecto indica outro estado de compactação, induzido por aspectos químicos”, finaliza o pesquisador.

Como fazer um solo compacto virar um solo produtivo?

Hernani comenta que ainda há muitos erros que visam corrigir o solo compacto. “Por muitas vezes, baseado em uma visão não conservacionista, o agricultor parte para ações mecânicas (escarificação e gradagens) para solucionar este problema, no entanto, ele poderia ser resolvido de forma menos drástica, onerosa e mais sustentável”.

O pesquisador explica que o primeiro passo deve ser uma avaliação do estado de compactação do solo. Assim, é possível tomar a decisão mais adequada no sentido de se retomar a melhor condição do solo produtivo.

Para essa avaliação há métodos como o Diagnóstico Rápido da Estrutura do Solo (DRES), de execução fácil e simples. “O DRES fornece uma visão necessária e suficiente para a melhor tomada de decisão”, explica o pesquisador.

De forma geral, se a compactação não é tão drástica, recomenda-se adotar um sistema de produção com gramíneas de elevada relação C:N (como braquiárias). “Braquiárias são bastante privilegiadas e visam fornecer o aporte de fitomassa (dossel e raízes) para que a melhor condição estrutural seja alcançada ao longo do tempo”, comenta Hernani.

No entanto, situações de solo compacto na sua forma avançada podem exigir o revolvimento com escarificadores ou até arados, tornando o solo produtivo novamente. Neste caso, as recomendações para o uso adequado de escarificadores (por exemplo) devem ser seguidas criteriosamente.

Hernani ressalta algumas dessas recomendações:

  • Umidade ideal no momento da escarificação;
  • Espaçamento entre as hastes:
  • Cultivo especialmente de braquiárias imediatamente após a escarificação.

Esses detalhes precisam ser definidos e monitorados por um técnico especializado. Caso contrário, a solução para o solo compacto pode ser o estopim de novos problemas”.

Produzir em solo compacto é possível. Conheça as técnicas:

Deixar o solo produtivo, mesmo que ele seja um solo compacto é possível sim. No entanto, Hernani sugere que sejam adotadas técnicas relacionadas à agricultura conservacionista.

A Agricultura Conservacionista, que compreende um conjunto de técnicas envolvendo desde a definição de terras aptas para determinadas culturas, o revolvimento mínimo do solo, a adoção de sistemas produtivos com elevada biodiversidade (rotação e consorciação de culturas) e de obras mecânicas (terraceamento, cultivo em nível), contém a base para melhor produzir em solos das regiões tropicais e subtropicais”.

Segundo o pesquisador, o Sistema Plantio Direto que é fundamentado no plantio sem preparo, na permanente cobertura vegetal do solo e na biodiversidade de espécies culturais do sistema de produção, caracteriza o que se tem de mais próximo da Agricultura Conservacionista, portanto, pode ser uma ótima técnica para tornar um solo compacto (e com produtividade baixa), num solo produtivo.

Hernani completa dizendo que após a correção e restauração das condições produtivas e funções fundamentais do solo compacto, todas as culturas recomendadas para a região baseadas na aptidão agrícola das terras e no zoneamento territorial agrícola, podem ser cultivadas normalmente, haja visto que o “solo produtivo estará de volta”.

A dica final para um solo compacto é sempre solicitar o apoio de um agrônomo especializado. Aproveite e compartilhe este conteúdo com seus amigos que também podem ter o mesmo problema!

Produtividade do solo brasileiro

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *