Agrishow faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_97975355.jpg

Para galinhas caipiras quanto mais espaço, melhor?

Em sistemas caipiras de produção de galinhas a busca constante do produtor deve se basear sempre em elevar o bem-estar do plantel, seja por meio da alimentação ou do espaço físico.

O criador e proprietário do sítio SANCAIPI explica que esse bem-estar está ligado à sensação de liberdade e a possibilidade de expressar suas características ancestrais. “Então quanto mais espeço melhor”, diz Sandro Ribeiro, criador e proprietário do Sítio SANCAIPI, além de especialista em galinhas caipiras.

Para criações de alto desempenho (sistema caipira semi-intensivo), onde o controle de peso e produção é mais rígido, Ribeiro indica o uso de 5 aves por m² dentro do galpão e 2 aves por m² alojadas em piquetes.

Para um sistema mais rústico (sistema caipira semi-extensivo), Ribeiro diz que esses números devem ser reduzidos para poder dar uma qualidade maior ao produto final (carne e ovos), aumentando o valor agregado.

Já quanto ao cálculo da quantidade de alimentação oferecida, Ribeiro explica que é preciso levar em consideração muitos fatores:

  • Finalidade da criação (abate, postura, melhoramento genético, dentre outras);
  • Raça / linhagem utilizada;
  • Fase da criação;
  • Duração da produção; e
  • Fatores de influência na alimentação como clima, qualidade da água e outros.

O proprietário do sítio SANCAIPI cita ainda a importância do “quinteto da climatização”, que tem relação direta com a regulação da temperatura, principalmente na produção de pintinhos.

Esse quinteto da climatização aborda:

  1. Círculo de proteção - tem a função de delimitar uma área para que os pintinhos se mantenham aquecidos;
  2. Fonte de calor - fonte de calor (que pode ser a gás ou elétrica) emite o calor em direção ao piso, com a ajuda da campânula, para a cama de frango ou dissipada para os lados após “bater” no piso;
  3. Termômetro - mede e regula devidamente a temperatura, ajudando a tomar a melhor decisão em relação a regulagem da fonte de calor;
  4. Lonas – ao serem abertas ou fechadas ajudam na mantença do calor sempre próximo do ideal;
  5. Cama de frango - é o que mantem o aquecimento a nível do solo e ajuda a manter a umidade longe, tão prejudicial às aves.

Ribeiro recomenda ainda que é importante que o produtor entenda sobre nutrição e sanidade das aves ou tenha um profissional para ajudá-lo nessas questões. “Assim o criador poderá escolher a melhor fórmula de alimentação, além de manter a saúde em dia do seu plantel”, explica.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Agrishow lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar