Tecnologia

É possível melhorar a conectividade na sua fazenda. Saiba como

Há alguns anos, a falta de sinal de internet se configurava como um grande problema das pequenas cidades. Além de dificultar a comunicação, a baixa conectividade dificultava ainda mais as atividades diárias dos produtores rurais.

No entanto, com o avançar da tecnologia e da capacidade de conectividade no campo, essa dificuldade vem sendo ultrapassada e os trabalhadores rurais já conseguem realizar suas atividades virtuais com maior facilidade e conforto.

Porém, mesmo assim, há ainda muita oscilação e instabilidade do sinal. Por isso, algumas alternativas vêm ganhando força, caso da banda larga via satélite, que está ganhando cada vez mais adeptos no campo.

Como identificar a baixa conectividade no campo?

Diferentemente dos grandes centros urbanos, no campo a internet é prioritariamente utilizada para atividades ligadas ao trabalho. As atividades virtuais mais corriqueiras para o trabalhador do campo são:

  • Navegar em sites de notícias ligadas ao ambiente rural;
  • Consultar previsão do tempo e cotações do agronegócio;
  • Fazer transações bancárias;
  • Fazer chamada de voz, além de pesquisas mais simples.

Não conseguir realizar tais ações pode ser um indicativo de algum problema quanto a conectividade. “Pode ser que a instalação esteja com algum problema, por isso o trabalhador rural deve acionar a empresa responsável”, aconselha o diretor de marketing e vendas de banda larga da HughesNet, Humberto Grote.

Independente das falhas de conectividade no campo, Grote ressalta que muitas vezes, a área rural realmente possui pouca disponibilidade de serviços de internet ou o serviço oferecido não é de qualidade. Assim, ponderar outras alternativas pode ser interessante.

Principais alternativas para a baixa conectividade no campo

Geralmente, a baixa conectividade no campo é decorrente de duas situações: usuário investiu na internet rural, mas ela anda muito instável ou realmente falta um acesso de qualidade.

Grote explica que se o usuário já investiu em infraestrutura ou se já possui algum serviço contratado, o ideal é solicitar que um técnico da empresa faça uma avaliação. “Este técnico irá verificar a instalação realizada e checará se não há nenhum problema com os equipamentos”, explica.

Porém, se a questão for realmente a falta de acesso de qualidade, em locais remotos e afastados dos grandes centros, como é o caso de fazendas,  Grote sugere que a melhor alternativa seja a banda larga via satélite.

Essa tecnologia permite abordar as áreas rurais com facilidade: o satélite está apontado para o país e, através de uma antena ligada a um modem, o produtor passa a ter acesso à internet de qualidade, mesmo na área rural”, esclarece.

A tecnologia via satélite representa uma grande oportunidade para levar conectividade ao agronegócio, já que permite otimizar desde tarefas simples do dia a dia, como a compra de sementes e pesticidas em lojas virtuais, consulta da previsão do tempo, estudar online e até mesmo à ampliação do negócio, como a construção de ecommerce próprio.

Outras alternativas para melhorar a conectividade no campo

A internet via satélite é somente uma das alternativas para aumentar a conectividade no campo, porém, há outras alternativas com boa eficiência.

O uso de amplificadores para aumentar o alcance do sinal de internet no campo também pode ser uma alternativa bastante interessante para o trabalhador rural que não tem muito capital para o investimento em infraestrutura de conectividade.

Por fim, ações simples também podem contribuir com a melhora da conectividade no campo, deixando o sinal mais “limpo”.

Deve-se verificar se não há muitos objetos ou paredes impedindo que o sinal do modem chegue até os aparelhos em que ele usa a internet, como smartphones e notebooks. “O ideal é que o equipamento WiFi fique instalado no local em que ele mais usa a internet e sem grandes obstáculos”, aconselha Grote.

Além disso, caso a propriedade tenha uma antena particular, esta deve ser instalada em um local que garantam uma boa visada direta.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *